Neurociência e direito: implicações na (des)proteção do consumidor brasileiro

  • Antônio Carlos Efing PUC-PR
  • Giovanni Vidal Guaragni PUC-PR
Palavras-chave: Direito do consumidor, Neurociência, Neuromarketing, Proteção do consumidor

Resumo

O artigo aborda consequências relevantes da neurociência ao direito do consumidor, cogitando seu uso em prol do aprimoramento da tutela consumerista. Principia-se com o exame de automatismos e vieses cognitivos, seguido da análise do neuromarketing e do efeito priming, instrumentos úteis à estratégia publicitária. Parte-se, então, às propostas de como a neurociência pode não ser apenas vilã, mas também auxiliar a embasar dispositivos legais vigentes - que protegem o consumidor – e fundamentar propostas inovadoras na tentativa de aprimorar a proteção dos cidadãos.

Biografia do Autor

Antônio Carlos Efing, PUC-PR

Mestre e Doutor em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do São Paulo – PUC-SP; professor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUC-PR e da Escola da Magistratura do Paraná; advogado e presidente da Comissão de Direito do Consumidor da OABPR.

Giovanni Vidal Guaragni, PUC-PR

Mestre em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUC-PR (2020); graduado em Direito (UFPR) e Filosofia (PUC-PR); professor de Filosofia do Direito do Instituto Superior do Litoral do Paraná – ISULPAR. Assessor no TJPR.

Referências

ALMEIDA, Carlos Felipe Cavalcante de; Arruda, Danielle Miranda de Oliveira. O neuromarketing e a neurociência do comportamento do consumidor: o futuro por meio da convergência de conhecimentos. Ciências e Cognição, 2014, Vol. 19(2), p. 278-297.

ALVES JUNIOR, Sérgio Itamar. O princípio da vulnerabilidade do consumidor e a neurociência do consumo. 2016. Dissertação de Mestrado em Direito Empresarial e Cidadania – Centro Universitário Curitiba, Curitiba.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Rotulagem nutricional obrigatória: manual de orientação às indústrias de Alimentos. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

BENJAMIN, Antonio Herman V. [et al.]. Comentários ao Código de Defesa do Consumidor. 5a. ed. São Paulo: Thomson Reuters – RT, 2017.

BENJAMIN, Antônio Herman V.; Bessa, Leonardo Roscoe; Marques, Claudia Lima. Manual de direito do consumidor. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2009.

BRONZATTI, Rafael; Damacena, Cláudio; Pacheco Junior, José Carlos Schaidhauer. Pré-ativação: o efeito priming nos estudos sobre o comportamento do consumidor. Estudos e pesquisas em psicologia, v. 15, n. 1, 2015.

COLAFERRO, Cláudia. A contribuição do neuromarketing para o estudo do comportamento do consumidor. 2011. Dissertação de Mestrado – Departamento de Administração de Empresas da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo.

DIAS, Alvaro Machado. Das ‘neurociências aplicadas ao marketing’ ao ‘neuromarketing integrativo’. Ciências & Cognição, 2012, Vol. 17 (1): 178-189.

DWORKIN, Gerald. Paternalism. The Monist, v. 56, n. 1, p. 64-84, 1972.

EAGLEMAN, David. Cérebro: uma biografia. Rio de Janeiro: Rocco, 2017.

EAGLEMAN, David. Incógnito: as vidas secretas do cérebro. Rio de Janeiro: Rocco, 2012.

GRINOVER, Ada Pellegrini [et al.]. Código brasileiro de defesa do consumidor: comentado pelos autores do anteprojeto. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.

HARRIS, Sam. Free will. New York: Free Press, 2012.

KAHNEMAN, Daniel. Rápido e devagar: duas formas de pensar. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

LINDSTROM, Martin. A lógica do consumo: verdades e mentiras sobre por que compramos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

MAFFEI, Lamberto. Elogio da lentidão. Lisboa: Edições 70, 2014.

MARTEL, Letícia Campos Velho. Direitos fundamentais indisponíveis: os limites e os padrões do consentimento para a autolimitação do direito fundamental à vida. 475f. Rio de Janeiro, 2010. Tese (Doutorado em Direito) – Programa de Pós-Graduação em Direito, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

MIRAGEM, Bruno. Custo de direito do consumidor. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2016.

SEGRAN, Elizabeth. NeuroFocus uses neuromarketing to hack your brain. Fastcompany, 08/08/2011. Disponível em: <https://www.fastcompany.com/1769238/neurofocus-uses-neuromarketing-hack-your-brain>. Acesso em: agosto de 2020.

SCHULTZ, Duane; Schultz, Sydney Ellen. História da psicologia moderna. São Paulo: Cengage Leaning, 2013.

SUNSTEIN, Cass. Nudging: A Very Short Guide, 37 J. Consumer Pol’y 583 (2014).

SUNSTEIN, Cass R; Thaler, Richard H. Libertarian Paternalism. The American Economic Review, Vol. 93, No. 2, Papers and Proceedings of the One Hundred Fifteenth Annual Meeting of the American Economic Association, Washington, DC, January 3-5, 2003. VALDÉS, Ernest Garzón. ¿Es eticamente justificable el paternalismo jurídico?. Cuadernos de Filosofia del Derecho, Alicante, nº 5, 1998.

Publicado
22-12-2020
Como Citar
EFING, A. C.; GUARAGNI, G. V. Neurociência e direito: implicações na (des)proteção do consumidor brasileiro. civilistica.com, v. 9, n. 3, p. 1-25, 22 dez. 2020.
Seção
Doutrina contemporânea