Marketing olfativo: o uso estratégico dos aromas no setor alimentício e o seu impacto no comportamento do consumidor

Autores

  • Antônio Carlos Efing Pontifícia Universidade Católica do Paraná
  • Maristela Denise Marques de Souza Pontifícia Universidade Católica do Paraná
  • Natalia Michelini Paviani Pontifícia Universidade Católica do Paraná https://orcid.org/0009-0007-5924-157X

Palavras-chave:

Direito do consumidor, Marketing olfativo, Marketing sensorial, Setor alimentício, Vício do consentimento

Resumo

Este artigo analisa o uso estratégico do marketing olfativo no setor alimentício e seu potencial para gerar vício no consentimento do consumidor. O marketing olfativo, que utiliza aromas e fragrâncias para influenciar as emoções e comportamentos dos consumidores, tem sido amplamente utilizado na indústria alimentícia com o intuito de estimular o apetite e criar associações positivas com os produtos. No entanto, essa prática pode suscitar questões jurídicas relacionadas à transparência, ao direito à informação adequada e ao livre consentimento do consumidor. Neste artigo, serão explorados os fundamentos jurídicos envolvidos nesse contexto, examinando as normas de proteção ao consumidor e as possíveis violações decorrentes da manipulação da percepção olfativa. Através de uma revisão da literatura existente, são examinados os efeitos dos aromas utilizados nas estratégias de marketing olfativo e sua influência no comportamento de consumo. O objetivo deste estudo é fornecer insights sobre as consequências do marketing olfativo no consentimento do consumidor, incentivando discussões informadas e práticas mais éticas no setor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antônio Carlos Efing, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Professor titular da PUC-PR nos cursos de Graduação e Pós-Graduação. Doutor pela PUC-SP. Mestre pela PUC-SP. Advogado. E-mail: antonio.efing@pucpr.br.

Maristela Denise Marques de Souza, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Professora adjunta da graduação e pós-graduação lato sensu da PUC-PR. Doutora em Direito Econômico e Social pela PUC-PR. Mestre em Direito Socioambiental pela PUC-PR. Graduação pela PUC-PR. Advogada. E-mail: maristela.marques@pucpr.br.

Natalia Michelini Paviani, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Mestranda em Direito Socioambiental e Sustentabilidade pela PUCPR. Graduada em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Pós-Graduada em Direito de Família e Sucessões pela Fundação Escola Superior do Ministério Público. Advogada. E-mail: pavianinatalia@gmail.com.

Referências

ANVISA. Resolução RDC n° 264, de 22 de setembro de 2005. Dispõe sobre Regulamento Técnico para Chocolate e Produtos de Cacau. DOU, Brasília, DF, 23 set. 2005. Disponível em: portal.anvisa.gov.br/. Acesso: 09.06.2023.

BARBOZA, Maruza V.; CARNEIRO, Juliana V. C. ARRUDA, Danielle M. O.; ROLIM, Francisco M. C. Estímulos olfativos influenciam decisões de compra? Um experimento em varejo de alimentos. Revista Alcance – Eletrônica, v. 17, n. 1, p. 58-72, Jan-Mar 2010.

BASSO, Kenny; RECH, Eduardo; ESPARTEL, Lélis Balestrin; RECK, Danúbia. Efeitos do Aroma e da Influência Interpessoal na Confiança do Consumidor. Revista Brasileira de Marketing. São Paulo, v. 12, n. 1, p. 1-25, jan./mar. 2013.

BATEY, Mark. O significado da marca: como as marcas ganham vida na mente dos consumidores. Rio de Janeiro: Best Business, 2010.

BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BESSA, Leonardo R. Código de Defesa do Consumidor Comentado. Rio de Janeiro, Forense. Grupo GEN, 2021. E-book. ISBN 9786559642298.

CAMARGO, Pedro Celso Julião de. Neuromarketing: a nova pesquisa de comportamento do consumidor. São Paulo: Atlas, 2013.

CARVALHO, A. E. I. M.; CAPUTO, A.; SILVA, C. S. T.; SILVA, S. M. A.; Relatório de Pesquisa. Interação entre o olfato e o paladar. Universidade de Brasília. Instituto de Psicologia. Departamento de Processos Psicológicos Básicos. Disponível em: www.academia.edu/. Acesso em: 20.06.2023.

CODEX ALIMENTARIUS. Standard for chocolate and chocolate products. CODEX STAN 87 – 1981. Rev. 1, 2003. FAO; 2003. Disponível em: www.fao.org/. Acesso em: 09.06.2023.

DIAS, JR; GONÇALVES, É. C. B. A. Avaliação do consumo e análise da rotulagem nutricional de alimentos com alto teor de ácidos graxos trans. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, p.177-182, 17 jan-mar. 2009.

EFING, Antônio Carlos. Fundamentos do direito das relações de consumo: consumo e sustentabilidade. 3. ed. rev. e atual. Curitiba: Juruá, 2011.

EFING, Antônio Carlos; BAUER, Fernanda Mara Gibran; ALEXANDRE, Camila Linderberg. Os deveres anexos da boa-fé e a prática do neuromarketing nas relações de consumo: análise jurídica embasada em direitos fundamentais. Revista Opinião Jurídica, Fortaleza, ano 11, n. 15, jan.-dez. 2013. p. 45.

FIDELMAN, Aline; LANGE, Tarcila Neves. Incongruências no regulamento técnico para chocolate e produtos de cacau que interferem na qualidade do chocolate brasileiro e na saúde do consumidor. Higiene Alimentar, Salvador, ed. 32, p. 276-277, fev. 2018. Disponível em: pesquisa.bvsalud.org/. Acesso em: 08.06.2023.

FILHO, Sergio C. Programa de Direito do Consumidor. ed. 6. rev. atual. e ampl. Barueri/SP, Atlas. Grupo GEN, 2022. E-book. ISBN 9786559772766.

GLÓRIA, Daniel Firmato de Almeida; MATOS, Sumaia Tavares de Alvarenga. Apontamentos sobre a racionalidade limitada das decisões do consumidor com base na economia comportamental e neurociência aplicada ao direito. Revista de Direito do Consumidor, Revista dos Tribunais Online: Set - Out, ed. 143, ano 2022, p. 189-212.

GAZOTTO, Gustavo Martinelli Tanganelli; EFING, Antônio Carlos. Os limites toleráveis do neuromarketing nas relações jurídicas de consumo. Revista de Direito do Consumidor, São Paulo: Ed. RT, v. 135. ano 30, p. 375-396, maio/jun. 2021.

HULTÉN, Bertil. Sensory marketing: the multi‐sensory brand‐experience concept. European Business Review, Vol. 23. n. 3, 2011, p. 256-273.

IDEC. Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. Pesquisa: Pouco cacau. Revista Idec. n. 174. p. 403-406. mar. 2013.

KAHNEMAN, Daniel. Rápido e devagar: duas formas de pensar. Trad. Cássio de Arantes Leite. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

LINDSTROM, Martin. A lógica do consumo: Verdades e mentiras sobre porque compramos. Tradução Marcello Lino. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

LIPOVETSKY, Gilles. A felicidade paradoxal: ensaio sobre o hiperconsumo. Lisboa: Edições 70, 2020.

MARQUES, Claudia Lima. Contratos no Código de Defesa do Consumidor. p. 717. São Paulo: Ed. RT, 2014.

OLIVEIRA, Cristine Moreau Barbosa de. Neuromarketing olfativo, o aroma do café influencia o consumidor. Monografia (Especialização) - Curso de Administração MBA em Marketing, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2017.

PALHETA NETO, F. X. et al. Anormalidades sensoriais: olfato e paladar. International Archives of Otorhinolaryngology, Belém, v. 15, p. 350-358, jul. 2011 1809-9777.

SOARES, Melinda Melo. Implementação da estratégia de marketing sensorial: uma abordagem empírica. 2013. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciências Económicas e Empresariais, Universidade dos Açores, Ponta Delgada, 2013.

STJ, REsp n. 1.758.118/SP, relator Ministro Herman Benjamin, Segunda Turma, julgado em 12/2/2019, DJe de 11/3/2019.

VERBICARO, Dennis; RODRIGUES, Lays; ATAÍDE, Camille. Desvendando a vulnerabilidade comportamental do consumidor: uma análise jurídico-psicológica do assédio de consumo. Revista de Direito do Consumidor. vol. 119/2018. p. 349-384. set-out, 2018.

VLAHOS, James. Scent and Sensibility. The New Your Times. New York, Set. 2007. Disponível em: www.nytimes.com/. Acesso em: 17.05.2023.

Downloads

Publicado

2024-03-10

Como Citar

EFING, Antônio Carlos; SOUZA, Maristela Denise Marques de; PAVIANI, Natalia Michelini. Marketing olfativo: o uso estratégico dos aromas no setor alimentício e o seu impacto no comportamento do consumidor. Civilistica.com, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 1–20, 2024. Disponível em: https://civilistica.emnuvens.com.br/redc/article/view/946. Acesso em: 15 abr. 2024.

Edição

Seção

Doutrina contemporânea