A constelação familiar na (re)estruturação dos vínculos afetivos

  • Walsir Edson Rodrigues Júnior PUC Minas
  • Luísa Marques Reis
Palavras-chave: Constelação familiar, Conflitos familiares, Justiça multiportas, Acesso à justiça, Métodos alternativos de resolução de controvérsias

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo expor a técnica da Constelação Familiar e a sua aplicação na resolução dos conflitos familiares, sustentando a possibilidade de utilização da técnica dentro do Poder Judiciário como um método alternativo de resolução de controvérsias, ante o modelo de Justiça Multiportas inaugurado pelo Novo Código de Processo Civil. A hipótese é de que a Constelação Familiar é uma alternativa eficaz para a resolução de conflitos familiares, uma vez que possibilita que sejam tratados os diversos aspectos emocionais e psicológicos que permeiam os conflitos – na maioria das vezes não alcançados pelo procedimento judicializado. Dessa forma, sustenta-se que a Constelação Familiar viabiliza a solução consciente construída pelos próprios envolvidos, promovendo a (re)estruturação de seus vínculos afetivos e consolidando o papel da jurisdição como verdadeiro instrumento de pacificação social.

Referências

ACKERMAN, Nathan W. Diagnóstico e tratamento das relações familiares. Tradução Maria Cristina R. Goulart. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.

ALMEIDA, Renata Barbosa de; RODRIGUES JÚNIOR, Walsir Edson. Direito civil: Famílias. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

ANDRADE, Leda de Alencar Araripe e. A família e suas heranças ocultas: segredos de família, justiça familiar, lealdades invisíveis, filhos substitutos, síndrome do aniversário. [S.l.: s.n.], [2016]

ANDRADE, Leda de Alencar Araripe. Noções de Psicopatologia para Terapeutas: aspectos da Intervenção Integrativa. Fortaleza, 2002.

ANDRADE, Maria Zoe Rios Fonseca de. Resistência e modos de subjetivação na prática de resolução de conflito familiar – mediação. 2006. 77f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

ARANTES, José Tadeu. Ressonância mórfica: a teoria do centésimo macaco. Revista Galileu. Disponível em < http://galileu.globo.com/edic/91/conhecimento1.htm>. Acesso em: 1. nov. 2019.

AZEVEDO, André Gomma de (Org). Manual de Mediação Judicial. 7.ed. Brasília: GT RAD, 2018.

AZEVEDO, André Gomma de; BUZZI, Marco Aurélio. Novos Desafios para a Mediação e a Conciliação no CPC: artigo 334. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2016-nov-11/novos-desafios-mediacao-conciliacao-cpc-artigo-334> Acesso em: 12 set. 2018.

BOSZORMENYI-NAGY, I., SPARK, G. Lealtades Invisibles. Buenos Aires: Amorrortu, 1983.

CAPPELLETTI, Mauro. Os métodos alternativos de solução de conflitos no quadro do movimento universal de acesso à Justiça. Revista de Processo. São Paulo, n. 74, p. 82-97, 1994.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à Justiça. Trad. Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Fabris, 1988.

CUNHA, Leonardo Carneiro da; AZEVEDO NETO, João Luiz Lessa de. A mediação e a conciliação no projeto do novo CPC: meios integrados de resolução de disputas. In: FREIRE, Alexandre et al (Org.). Novas Tendências do Processo Civil. Salvador: JusPODIVM, 2014, p. 197. v. 3.

FANTAPPIÉ, Marcelo. Epigenética e memória celular. Revista carbono, 2013. Disponível em: < http://revistacarbono.com/artigos/03-epigenetica-e-memoria-celular-marcelofantappie/>. Acesso em: 02 nov. 2019

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito. Trad. Márcio Alves Fonseca e Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

GROENINGA, Giselle Câmara. Família: um caleidoscópio de relações. In: GROENINGA, Giselle Câmara; PEREIRA, Rodrigo da Cunha (Coord.). Direito de família e psicanálise – rumo a uma nova epistemologia. Rio de Janeiro: Imago, 2003.

HELLINGER, Bert; WEBER, Gunthard; BEAUMONT, Hunter. A simetria oculta do amor. São Paulo: Cultrix, 1998

HELLINGER, Bert. Constelações Familiares: o reconhecimento das ordens do amor. Tradução Eloisa Giancoli Tirone. São Paulo: Cultrix, 2007.

HELLINGER, Bert. Ordens do amor: um guia para o trabalho com constelações familiares. Tradução Newton de Araújo Queiroz. São Paulo: Cultrix, 2007

HELLINGER, Bert. Um lugar para os excluídos: conversas sobre os caminhos de uma vida. 3. ed. Belo Horizonte: Atman, 2014.

HIGHTON, Elena I.; ÁLVAREZ, Gladys S. Mediación para resolver conflictos. Buenos Aires: Ad-Hoc, 1995

LACAN, Jacques. Os complexos familiares na formação do indivíduo. Trad. Marco Antônio Coutinho Jorge e Potiguara Mendes da Silveira Júnior. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1984.

LIMA FILHO, Francisco das Chagas. Acesso à Justiça e os mecanismos extrajudiciais de solução de conflitos. São Paulo: Sergio Antonio Fabris Editor, 2003.

LUCENA FILHO, Humberto Lima de. A cultura da litigância e o poder judiciário: noções sobre as práticas demandistas a partir da justiça brasileira. Uberlândia. ISBN: 978-85-7840-081-1. p. 34-64. Jun. 2012. p. 3. Disponível em: <http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=84117275be999ff5>. Acesso em 25. out. 2019

MUNIZ, Tânia Lobo; SILVA, Marcos Claro da. O modelo de tribunal multiportas americano e o sistema brasileiro de resolução de conflitos. Revista da Faculdade de Direito da UFRGS, Porto Alegre, n. 39, vol. esp. p. 288-311, dez. 2018. Disponível em <https://seer.ufrgs.br/revfacdir/article/view/77524>. Acesso em: 05 nov. 2019

NUNES, Dierle. et. al. Novo CPC, Lei de Mediação e os Meios Integrados de Solução dos Conflitos Familiares. In: ZANETI JR, Hermes; CABRAL, Trícia Navarro Xavier. Justiça Multiportas: mediação, conciliação, arbitragem e outros meios adequados de resolução de conflitos. Salvador: Juspodivm, 2018.

NUNES, Dierle José Coelho. Processo jurisdicional democrático: uma análise crítica das reformas processuais. Curitiba: Juruá Editora: 2012

NUNES, Dierle; TEIXEIRA, Ludmila. Acesso à justiça democrático. Brasília: Gazeta Jurídica, 2013.

PEREIRA, Rodrigo da Cunha. A família – estruturação jurídica e psíquica. In: Direito de Família contemporâneo. Belo Horizonte: Del Rey, 1997.

RACHID, Israel Carone. A legalidade da Subjetividade. In: CUNHA PEREIRA, Rodrigo da (coordenador). Repensando o direito de família. Belo Horizonte: Del Rey, 1999.

RODRIGUES JÚNIOR, Walsir Edson; MALTA, Rafaella Rodrigues. Alienação parental: a responsabilidade do ente alienador por meio da prática restaurativa. Revista Da Faculdade Mineira de Direito, V. 20 p. 245-273. 2018.

VIEIRA, Adhara Campos. A constelação sistêmica no judiciário. Belo Horizonte: D’Plácido, 2019.

VILLELA, João Baptista. Liberdade e família. Belo Horizonte: Faculdade de Direito da UFMG, 1980.

Publicado
22-12-2020
Como Citar
RODRIGUES JÚNIOR, W. E.; MARQUES REIS, L. A constelação familiar na (re)estruturação dos vínculos afetivos. civilistica.com, v. 9, n. 3, p. 1-28, 22 dez. 2020.
Seção
Doutrina contemporânea